Questions: ‘We’re Not Alone’ Jai Club - 29 de outubro de 2016

In Bandas, Shows

Dia 29 de outubro de 2016 foi a data escolhida pelo Questions, uma das bandas mais importantes do movimento hardcore, para o show que serviria de registro para um DVD que a banda pretende lançar em breve. Mas o hardcore é mais que só um registro. É mais do que um show e vai além da própria música. O hardcore é o encontro com aquilo que você acredita e com as pessoas que dividem a mesma sensação de  pertencimento ao punk/hardcore.

É também uma comunhão feita de ideias, contato e integridade. É o exercício de tolerância e com a froça que tem, o Questions conseguiu promover tudo isso em um só dia. Aliás, se tem uma palavra que poderíamos usar para definir a carreira deles é integridade.

Foto: Nathan Motta

Junto com algumas outras bandas do movimento, podemos dizer que o Questions é uma verdadeira entidade do hardcore.

É também preciso confessar, aqui não fazemos muita resenha de shows porque a gente ama aproveitar 100% do que aquele momento tem para oferecer. Mas existe uma cláusula de exceção no nosso código de amantes da música que diz: se você acordou no dia seguinte de algum show sem conseguir significar aquele momento, aí é preciso escrever para tentar encontrar adjetivos que possam ilustrar e registrar o momento vivido.

Foto: Pedro Henrique

A espera, o pré, entrar na casa, esperar a banda, olhar o merch, reconhecer alguns rostos sempre presentes… um show é como um ritual.

A sensação era de uma festa em comemoração aos anos de de doação do Questions ao hardcore porque a história da banda vai além do palco. Street art, comunicação, vídeos, amizades, arte visual, fanzines, shows, as mensagens das letras, posicionamento político e social, apoio às causas das minorias sem medo de mostrar sua postura frente a esses assuntos. Tudo isso movimentado pelo faça você mesmo (Do it Yourself – DIY) de verdade e não só no discurso.


Running Like Lions, Good Intentions e Mais Que Palavras foram as bandas convidadas especialmente para fazer parte da festa e pouco depois das 20h30 o Questions fez os últimos ajustes no som. Depois de um “Primeiramente, fora Temer”,  deram início à avalanche de músicas que, já nos primeiros acordes, fez o público ovacionar a banda e dar início aos intermináveis stage dive.

Eduardo Andrade (vocal), Helio Suzuki (baixo), Pablo Menna (guitarra) e Duz Akira (bateria) estavam em plena forma e o carisma dos caras com o público e a segurança no palco é algo a se destacar.

Foto: Pedro Henrique

Tudo começou com a trinca poderosa “Life is a Fight”, que já é um hino do hardcore; “Rise Again” e “The Victory Speech”. Do último disco, Pushed Out…of Society, forma inclusas “Those Days”, “Discord”, que contou com a participação de André Vieland, do Good Intentions, e “The Same Blood”. E ainda teve “Out of Society”, “We’re Not Alone”, “Cheap Talk” e “True Brotherhood”, com a participação de Marcelo Papa, que já foi parte da banda, mas atualmente toca no Rastilho.

E se o ZZ Top tem sua “Gimme All Your Lovin”, o Metallica a sua “Master Of Puppets”, e o Red Hot Chilli Peppers tem sua “Give it Away”, no punk/hardcore isso também acontece. Vide os Ramones e sua “Blitzkrieg Bop”, The Clash e sua “London Calling”, Sex Pistols e “Anarchy in UK”, Agnostic Front e “Last Warning”, e outras tantas bandas que soltaram seus hinos até hoje cantados em uníssono nos shows. Se for pra escolher um composto pelo Questions, é “SPHC”. Já na primeira microfonia todos, veja bem, TODOS os presentes já entoaram my family, my power, my friends… my honour! Foi bonito de ver!

Foto: Pedro Henrique

O Questions emocionou. Eles não estavam num palco fazendo um simples show. Não era só um evento para gravar um DVD. A energia era densa, quase palpável.

O que vimos ali, foi o Questions sendo a nossa banda. Porque o hardcore foge aos vícios, estrelatos, modismos e distanciamentos. O hardcore é sobre aproximar. Sobre a banda que esta lá tocando ser um dos nossos. É sobre superar distâncias e eles fizeram isso. O hardcore não é sobre dizer que faz. É sobre fazer. O hardcore não é sobre dizer que é. É sobre ser de fato. Parabéns e longa vida ao Questions!